Cuidados com o Sol

Publicado em por

Cuidados com o Sol


O sol é normalmente associado a boa disposição e sensação de bem-estar. No entanto, é preciso saber conviver saudavelmente com o sol, pois os seus efeitos benéficos podem ser facilmente ultrapassados por comportamentos errados.

O excesso de exposição solar tem várias consequências negativas, tais como:

  • Envelhecimento prematuro da pele, traduzido por rugas mais precoces e profundas, manchas e alterações da textura da pele (baça, espessada, sem tonicidade ou vitalidade);
  • Risco de vários tipos de cancro de pele, destacando-se o melanoma (que poderá ser fatal).

Ficam assim alguns conselhos para uma convivência saudável com o sol:

  • Tenha em atenção que se expõe aos raios ultravioleta (UV) não só na praia, mas também quando pratica um desporto ou outra atividade ao ar livre (jardinagem, passeio ou compras ao ar livre);
  • Evite realizar atividades ao ar livre/expor-se ao sol entre as 12h e as 16h; A melhor proteção é evitar o sol nas horas de maior risco;
  • Os raios UV são apenas parcialmente filtrados pelas nuvens, o que significa que em dias nublados continua a correr risco de queimadura solar e deve manter os cuidados de proteção;
  • Vestuário: Sempre que estiver ao sol, use um chapéu, roupa preferencialmente de cor escura e óculos com proteção UV;
  • A neve reflete cerca de 85% e a areia 20% da radiação solar. Estar à sombra de um toldo/chapéu não confere proteção total contra os raios solares;
  • As crianças têm maior risco de queimadura solar. Mantenha os bebés longe do sol e ensine os cuidados de proteção solar às crianças desde muito cedo. Uma queimadura solar na infância duplica o risco de mais tarde se desenvolver um cancro de pele. No 1º ano de idade, as crianças não devem ser expostas diretamente ao sol;
  • Na praia ou piscina: aplique o protetor solar 15 minutos antes de sair de casa. Renove as aplicações de 2 em 2 horas e após o banho, mesmo que o protetor seja à prova de água. Aplique-o em todas as áreas expostas – incluindo as orelhas se não estiverem cobertas por chapéu ou cabelo, o dorso das mãos e os lábios;
  • A exposição solar deve ser lenta e progressiva (a exposição intensa em curto espaço de tempo – o vulgar “escaldão”, tem maior risco de cancro de pele);
  • Limite o tempo de permanência ao sol. Evite queimaduras solares, e escaldões;
  • Não utilize solários pois os UV aumentam o risco de cancro cutâneo e aceleram o envelhecimento da pele;
  • Conheça a sua pele, efetue um autoexame da pele de 3/3 meses.

As pessoas ruivas, loiras, com sardas e muitos sinais, devem proteger-se com maior rigor.

Avalia-se que cerca de 50% da dose de radiação tolerada pela pele se atinge pelos 18 anos.

Siga estes conselhos e disfrute ao máximo dos benefícios do sol.


Comentários: 0

Este tema encontra-se fechado. Não podem ser adicionadas mais respostas.