Alterações de pele na gravidez

Publicado em por

Alterações de pele na gravidez


A gravidez é um período caraterizado por muitas modificações hormonais que visam adaptar o organismo materno ao desenvolvimento e crescimento de um novo ser. Estas alterações têm consequências em quase todos os órgãos e a pele não é exceção.

Por serem facilmente visíveis e identificadas, as alterações na pele aparentam ser particularmente frequentes. A generalidade destas modificações é transitória e regride algum tempo após o parto. Outras porém poderão ser persistentes.

Por existir um maior estímulo para a produção de pigmento cutâneo, podem surgir manchas escuras em algumas localizações características, tais como:

  • Na face, em particular no lábio superior, maçãs do rosto ou testa. Esta pigmentação tem o nome de melasma (também vulgarmente designado por “pano da gravidez”) e geralmente melhora mas não regride espontaneamente no pós-parto;
  • Nas aréolas dos mamilos (regride espontaneamente);
  • Numa linha vertical na barriga, passando pelo umbigo – linea nigra (regride espontaneamente);
  • Na área genital (regride espontaneamente);
  • Alguns sinais podem-se tornar mais escuros ou aumentar de dimensões (estas alterações tendem a persistir);

A modificação ou aparecimento de alterações ou de novos sinais é frequentemente benigna mas devem sempre motivar a consulta a um Dermatologista. O cancro de pele pode surgir na gravidez.

A exposição solar tende a agravar as manchas de cor castanha, sendo um dos fatores que contribuem para o aparecimento de melasma. É por isso recomendável ter cuidados acrescidos com o sol.

Do ponto de vista da circulação sanguínea ocorrem também importantes adaptações do organismo materno à gravidez.

As mais frequentes são:

  • Aparecimento ou aumento de dimensões de sinais vermelhos – podem ser arredondados ou ter um ponto central vermelho do qual irradiam vários pequenos vasos, assemelhando-se a uma aranha, sendo por isso chamados de aranhas vasculares. Tendem a diminuir de dimensão após a gravidez, podendo mesmo desaparecer;
  • As veias da barriga tornarem-se maiores e mais visíveis. Deve-se a um aumento das necessidades sanguíneas da pele e tecidos subjacentes da barriga em crescimento;
  • Varizes e derrames vasculares nas pernas. Resultam de fatores hormonais e do aumento de pressão a nível abdominal que dificulta o retorno do sangue venoso ao coração. Podem atenuar-se após a gravidez, mas é mais frequente persistirem;
  • Hemorróidas. Resultam dos mesmos fatores que provocam as varizes. Após o parto por via vaginal podem ser particularmente incomodativas mas resolvem no período pós-parto;
  • Hemorragia das gengivas ou da mucosa nasal. As gengivas e a mucosa nasal são muito vascularizadas, sendo particularmente sensíveis a hemorragias por pequenos traumatismos locais como a escovagem dos dentes. Estas alterações são reversíveis;
  • Palmas das mãos vermelhas. Resulta também de um aumento da vascularização nessa área.
  • Aparecimento de nódulos vermelhos/arroxeados, dolorosos e que sangram facilmente. São chamados de granulomas piogénicos e localizam-se normalmente nos lábios e extremidades. Em geral passam espontaneamente no fim da gravidez mas devem ser observados por um Dermatologista, pois podem-se confundir com tumores de pele.

O funcionamento das glândulas sebáceas e sudoríparas da pele também está alterado durante a gravidez. As alterações mais frequentes são:

  • Acne. A sua evolução é imprevisível. Geralmente surge ou agrava-se no primeiro trimestre da gravidez podendo melhorar durante a restante gestação. Em alguns casos persiste por toda a gravidez ou, pelo contrário, pode ocorrer uma melhoria relativamente à acne pré-existente;
  • Tubérculos de Montgomery. São pequenos altos que surgem em torno dos mamilos e que resultam do aumento de tamanho de glândulas sebáceas.;
  • Miliaria. Resulta do excesso de atividade das glândulas que produzem o suor (sudoríparas), caracterizando-se normalmente por pequenas manchas vermelhas (podem ser ligeiramente elevadas) e ter o centro com ponto amarelado, assemelhando-se a pequenas “borbulhas”.

As modificações nas unhas e cabelos podem ser muito importantes, mas tendem a passar espontaneamente após o parto:

  • Unhas frágeis e quebradiças. Resultam das alterações hormonais e de outras modificações no metabolismo da mulher grávida;
  • Crescimento rápido das unhas;
  • Aumento da pilosidade. Os pelos podem-se tornar mais abundantes, espessos e escuros. A situação normaliza-se depois do final da gravidez
  • Cabelo baço mas com aspeto mais forte. Resulta do fato de os cabelos ficarem como que “adormecidos” no folículo. Após o parto a situação reverte-se e os cabelos entram no ritmo normal, o que explica a queda de uma grande quantidade de cabelo nos 3-6 meses após o parto. Estas situações são transitórias.

Por último, as alterações que mais frequentemente importunam a mulher grávida são as estrias gravídicas. Resultam do estiramento intenso e rápido da pele, que não tem tempo para se adaptar ao ritmo de crescimento da barriga. São agravadas ainda pelo aumento excessivo de peso ou em caso de coexistência de doenças ou tratamentos associados. Embora possam ser atenuadas, não desaparecem totalmente. A prevenção assenta num cuidado regular com aplicação diária de cremes hidratantes nutritivos e na evicção do aumento de peso excessivo e demasiado rápido.

Comentários: 0

Este tema encontra-se fechado. Não podem ser adicionadas mais respostas.